Notícias

Vendas no mês das mães voltam a crescer após dois anos de incertezas

19 de maio de 2022

Após dois anos de pandemia, que abalaram o comércio brasileiro, 2022 registrou um aumento de 36% nas vendas em lojas de shopping no Dia das Mães, em relação a 2021.

No ano passado, a queda foi entre 20% e 25% em relação a 2019, já que em 2020 todos os estabelecimentos estavam fechados, devido à covid-19.

Além disso, esse resultado positivo nas vendas teve como principal destaque o segmento feminino de vestuário, acessórios e calçados.

Todos os dados são da Associação Brasileira dos Lojistas Satélites de Shoppings (Ablos).

Mesmo com o aumento da inflação e a alta nos preços, a expectativa para este ano já era positiva, tendo em vista o crescente retorno à “vida normal”, com a volta de eventos e até mesmo a liberação do uso de máscaras em locais públicos, inclusive nos shoppings.

No entanto, é preciso lembrar que esse crescimento de 36% vem de uma queda bruta nas vendas nos anos anteriores, então, ele não reflete um crescimento real. É preciso um pouco mais de paciência para que o mercado volte a se movimentar como antes.

Vendas omnichannel

Já falamos várias vezes sobre o omnichannel aqui no blog e também no nosso Instagram (@alsr.recife) e voltamos a repetir agora: essa é uma realidade que veio para ficar.

Boa parte dos consumidores compraram através do comércio omnichannel, que consiste na integração de diversos canais físicos e virtuais. Muitas vezes, fazendo o pedido online e a retirada na loja física.

Lojistas precisam estar cada vez mais atualizados nessa modalidade para não perder vendas.

Varejo reaquecido?

O Dia das Mães é uma das datas mais importantes para o varejo. No entanto, mesmo com a expectativa positiva para 2022, o resultado nas vendas ainda era incerto.

Com o saldo positivo que o varejo teve nesta data, podemos afirmar que, depois de dois anos de desequilíbrio, a retomada do comércio presencial está cada vez mais aquecida.

Notícias relacionadas

Gestão de Estoque

É comum muitas pessoas acreditarem que o controle de estoque se resume apenas com a entrada e saída de mercadorias.

ver mais